71 anos: Festival da Cultura tem aula pública, fotos, música e grafite esta semana

Estreia de exposição com imagens antigas da PUC-SP, aula pública, festival de bandas e pinturas na Prainha encerram programação

por Redação | 01/08/2017 - 10h

Dia 22/8, a PUC-SP completa 71 anos. O Festival da Cultura que marca as comemorações do aniversário da Universidade desde o início de agosto ainda tem atividades no final desta semana.

Na quinta-feira (24/8), o Festival da Cultura realiza a gravação do programa Aula Pública Opera Mundi, às 19h30, no Pátio da Cruz, com a presença do prof. Tercio Redondo (USP) que fala sobre o livro "Conversa de Refugiados", de Bertold Brecht. Na sequência, a reitora Maria Amalia Pie Abib Andery discute os desafios das universidades na sociedade contemporânea. O evento é gratuito e aberto ao público.

A exposição Das Carmelitas Descalças à Gênese de uma Universidade Democrática apresenta imagens inéditas do campus Monte Alegre, em evento com estreia marcada para dia 25/8, no Museu da Cultura (subsolo, prédio velho), a partir das 19h, e segue até 9/9.

As fotos mostram o campus em Perdizes, na época em que ainda funcionava ano local o mosteiro da ordem das Carmelitas Descalças (depois, as irmãs cederam o prédio à Universidade e se mudaram para a zona Sul da capital). O objetivo é tornar conhecido o dia-a-dia dessas primeiras ocupantes do espaço, que é sede da Universidade até hoje.

A exposição pretende ainda evidenciar as propostas que guiaram a construção de um ideal democrático para a formação da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, desde de 1946, ano de sua fundação, até a encenação da peça Morte e Vida Severina, em 1965, no Tuca. O espetáculo simbolizou o compromisso democrático e social da PUC-SP, quando a ditadura recém instalada prenunciava o tempo horror que viria assolar o país.

“A mostra é produto de uma nova proposta para o Museu da Cultura, que visa valorizar as experiências, as memórias e a história de nossa Universidade, iluminando o papel decisivo da comunidade interna e externa na construção da sua trajetória, um patrimônio vivo da cultura paulistana e brasileira”, afirmam os profs. Carlos Gustavo Nóberga de Jesus e Alberto Schneider, organizadores da exposição, além de diretor e diretor adjunto do Museu, respectivamente.

Já no sábado (26/8), o espaço da Prainha será ocupado com grafites e apresentação de bandas. O evento marca o encerramento do Festival da Cultura, organizado pela Pró-Reitoria de Cultura e Relações Comunitárias. A atividade é aberta a toda a comunidade. Clique aqui e fique por dentro da programação.

PARA PESQUISAR, DIGITE ABAIXO E TECLE ENTER.