Medicina da PUC-SP inova durante a pandemia e vira exemplo para outras faculdades

Uma das estratégias de sucesso foi a contratação de atores para atuar como pacientes em algumas das atividades práticas do curso. Resultado foi tão positivo que deverá ser adotado permanentemente

por Redação | 07/04/2021 - 00h

Quando a pandemia começou e interrompeu as rotinas convencionais de ensino no Brasil, a Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde (FCMS) da PUC-SP, localizada em Sorocaba (SP), foi uma das primeiras a se adaptar à nova realidade. Tanto que seus dirigentes são convidados a narrar essa experiência para outras instituições de ensino superior. Além dos recursos tecnológicos, uma das estratégias de sucesso foi a contratação de atores para atuar como pacientes em algumas das atividades práticas do curso. A prática foi tão positiva que deverá ser adotada permanentemente.

A experiência começou em setembro de 2020, apresentando-se como uma alternativa para evitar que os alunos se expusessem ao risco de se contaminarem quando estivessem nos hospitais e nas unidades básicas de saúde para as atividades educacionais. Assim, 12 salas de aula foram montadas nos mesmos moldes de um consultório médico. Nove delas foram projetadas para acomodar até 11 alunos, mais o professor e o ator, e outras três, com capacidade para até 15 alunos, um professor e um ator. Todas respeitavam o distanciamento mínimo de 1,5 metro entre as pessoas e continham dispensadores de álcool em gel, papel toalha e lençóis descartáveis. Os atores utilizavam máscara e face shield.

A coordenadora dos atores recebia, com antecedência, um caso clínico de um determinado tema e era explicado o que se esperava do ator e os objetivos de aprendizagem. Duas professoras se reuniam virtualmente com os atores e simulavam como estes deveriam se portar nas interpretações, desde o modo de falar, andar, sentar, entre outros detalhes.

De acordo com a coordenadora do curso de Medicina da FCMS, Maria Helena Senger, a proposta nasceu da necessidade de prover as atividades de habilidades clínicas em um espaço seguro e controlado por conta da pandemia e manter o treinamento prático. “Apesar de nada substituir o cenário do mundo real, essa inovação trouxe ganhos na aprendizagem e na troca de experiências entre os alunos e na relação presencial com os professores”, afirma.

Glória Zanelato Campagnone é cardiologista, com especialização em cardiologia pediátrica e ecocardiografia e atua como docente no primeiro e segundo anos do curso de Medicina; no internato e na residência em Pediatria a FCMS. Segundo ela, no módulo de Habilidades I e II, o ponto principal é ensinar ao aluno como conversar e examinar o paciente. “Para essa prática, a substituição dos pacientes por atores foi muito bem-vinda”, conta. “Nós, professores, demos toda a orientação prévia de como os atores deveriam agir durante a aula. Os alunos reagiram bem diante dessa técnica, que também funciona como uma ponte ou um treino para o contato com o paciente real”, explica.

A professora classifica a experiência como muito positiva. “Os alunos ficam mais à vontade com o ator do que com o paciente real. Acredito que essa técnica deveria permanecer como coadjuvante no ensino de Habilidades”, conclui.

Para o aluno do segundo ano do curso de Medicina, Gianluca Feres Staniscia, a experiência apresentou mais pontos positivos do que negativos. “Tivemos um ano inteiro de muito EAD e muito conteúdo teórico. Assim, ter aulas com atores foi uma ótima e interessante solução para aquele momento, principalmente se fizermos um comparativo com outras faculdades que não conseguiram voltar para o presencial”, resume.

Gianluca fala que foi uma experiência bastante frutífera, sobretudo pelo fato de a docente ter fundamentado bem a parte teórica. “A exposição era muito boa e, ao chegarmos para aplicar na prática, foi mais intuitivo e prático”, conta.

Em contraponto, o segundanista da Medicina pondera: “Com os atores, tínhamos a opção de modelar a situação, pedindo para, por exemplo, respirarem ou caminharem de determinada forma, o que não seria possível num hospital. Assim, às vezes, faltou um apelo maior à realidade. Por isso, nos sentimos em um espaço mais confortáveis e ficamos mais tranquilos do que aconteceria numa situação real”.

“Contudo, no geral e pelo momento que tivemos, foi uma experiência boa, pois conseguimos ter o mínimo de contato presencial e físico, o que permitiu colocar em prática o conteúdo teórico desenvolvido ao longo do ano”, completa.

 

Preparação

A coordenação do grupo de atores foi exercida por Rosaura Mello, atriz, encenadora, escritora, contadora de histórias e arte-educadora. “Sou professora de teatro e de artes do corpo, com experiência na condução da criação artística coletiva, com uso de múltiplas linguagens como forma de ampliar as potencialidades individuais e as relações, seja dentro de um grupo ou entre grupos”, conta. “Atuar no curso de Medicina foi uma experiência muito significativa para toda a equipe de atores”, define.

 

Ela ressalta que os atores estudam o ser humano do ponto de vista das suas fragilidades e potências, de suas ações e emoções dentro do seu contexto cultural, social e histórico e que tudo isso se expressa no corpo. “Foi justamente na dimensão do corpo que a nossa pesquisa acerca do ser humano ganhou profundidade, por acompanhar as aulas do curso de Medicina. Adquirimos um novo olhar para o corpo, a partir do contato que tivemos com fisiologia, anatomia e hipóteses diagnósticas. Eu digo que, agora, meus personagens têm costelas, coluna, coração, pulmões, veias, artérias…”, relata.

 

Ainda de acordo com Rosaura, “ver a complexidade e a beleza do corpo humano pela perspectiva da medicina trouxe um certo maravilhamento, a constatação de que há um universo em mim. E, desta constatação da complexidade que somos enquanto corpo, nasceu uma grande admiração pelo trabalho dos médicos, um reconhecimento por toda a dedicação que essa profissão exige”, diz.

 

Sobre a preparação, a atriz conta que, após estudar o caso, elaborava um documento detalhado com as informações técnicas e com as diretrizes da atuação, como forma de garantir que todos os atores se apropriassem não apenas da história clínica dos personagens pacientes e dos sintomas das suas doenças, mas, também, do seu modo de pensar e sentir, de suas crenças e receios, de seu modo de estar no mundo.

 

A partir daí, cada ator iniciava seu estudo do caso e do personagem. Antes de cada consulta simulada, eles se reuniam brevemente, para repassar o caso da semana e os detalhes da atuação. “Penso que o que nós, atores, levamos para as salas de aula de consulta simulada está para além dos nossos corpos. Nossa contribuição está centrada na experiência do encontro, do contato com o outro e de seu universo interno. Tem a ver com saúde, sim, mas também tem a ver com vida, tem a ver com arte e tem a ver com humanidade. É cura!”, finaliza.

PARA PESQUISAR, DIGITE ABAIXO E TECLE ENTER.